Entrevista com:

 

 

Joaquim Manuel

05/Jan-2005

 

 

 

 

Joaquim Manuel, Antigo Atleta do CRI

www.cri.web.pt 05/Jan-2005

 

Jogou em quase todos os escalões do CRI, desde as Escolas até aos Séniores.

 

N.º Jogos:  Aprox. 150

Golos:  Aprox. 40

Entre 1982 e 1991

 

Outros Clubes por onde passou:

União Banheirense – 3 anos

GD Pinhalnovense – 1 ano

GD Quimigal – 1 ano

V.G Lançada – 3 anos

PERFIL

Nome: Joaquim Manuel F. Lopes

Naturalidade: Alhos Vedros

Idade: 36

Estado Civil: Casado

Filhos: 2

Profissão: Supervisor de Armazém

 

 

P - O que foi jogar no CRI?

 

R - Jogar no CRI de certa forma posso dizer que foi o realizar de um objectivo que me propus alcançar ainda nos tempos de criança pois recordo-me de que com a idade de 10, 11e 12 anos não perdia um jogo nos domingos em que havia jogo no Campo de Jogos São Lourenço. Felizmente tive a sorte de ver o C.R.I ser campeão da 2ª divisão distrital de Setúbal, na época de 78/79 e onde jogavam jogadores, tais como o Arnaldo,  João Manuel,  Chana,  Passarinho, entre outros, que na altura eram os ídolos dos jovens com a minha idade em Alhos Vedros.

Orgulho-me também de ter pertencido ao plantel que com todo o mérito foi campeão da mesma divisão na época de 87/88,  que obteve esse titulo sem ter obtido qualquer derrota. Só para citar alguns elementos desse plantel, recordo os nomes de José Manel (Varandas), do Paulo Viana, José Paulo, Simões, entre outros.

 

 

P - Em que posição jogava?

 

R - Foram várias as posições em que joguei ao longo dos 15 anos em que fui jogador  federado, mas devido ao facto de ser esquerdino, jogava preferencialmente sobre a esquerda, mais concretamente na posição de médio esquerdo. Posição esta que posso considerar a minha favorita.

 

P - Que diferenças são mais notórias entre os escalões de formação do início dos anos 80 e os de agora?

 

R - Pelo facto de não estar muito por dentro dos escalões de formação nos dias que correm, não tenho uma opinião muito concreta, no entanto e pelo pouco que me é possível apreciar, julgo que hoje em dia os clubes estão a apostar muito nas camadas jovens (escolas, Infantis) em detrimento dos escalões de Seniores e também de Juniores. Pelo contrario na década de 80, verificava-se uma maior aposta nos outros escalões, pois os Juniores eram um suporte/apoio para as equipas de seniores que eram as fortes apostas dos clubes da região.

Julgo também que as dificuldades económicas porque passam os clubes aliadas aos elevados encargos que é manter uma equipa de Sénior, são a razão principal para esta alteração de prioridades.  

 

P - Depois de ter terminado o prazo de exploração no Campo de Jogos S.Lourenço, o CRI, ficou sem espaço para as suas equipas, neste momento está a começar de raiz um parque desportivo , o que pensa disso?

R - Eu penso aquilo que deverão pensar muitos Alhosvedrenses, e simpatizantes do C.R.I, ou seja, o sonho de um Parque Desportivo é muito bonito e de facto é (ou será) uma mais valia para a freguesia, mas o problema é que tarda tanto em concretizar-se que as duvidas são cada vez maiores sobre se algum dia o mesmo será uma realidade.

Espero no entanto que os dirigentes do C.R.I obtenham todos os apoios que são necessários para realizar o projecto que já existe e que certamente será o impulso que falta para tornar o C.R.I. num clube importante para o desporto juvenil não só a nível da freguesia de Alhos Vedros mas também em todo o concelho.

 

P - O que pensa da aposta do CRI nas escolas de formação?

R - Penso que nos tempos que correm, em que os elevados encargos que a manutenção de uma equipa de Seniores, e até mesmo Juniores exige, é a melhor aposta possível, e estou totalmente de acordo com o caminho seguido pelos dirigentes do C.R.I. O futuro de um clube, seja em que modalidade for está na formação e dedicação que é dada aos mais jovens e em que  as regras mais simples, são fáceis de seguir, tais como: gosto e prazer pela prática do futebol ou outras modalidades, que tenham o sucesso escolar como primeira prioridade, que tenham um bom comportamento e criem um bom ambiente no seio da  equipa.

 

  

P - Qual o filme, a música e o livro da sua vida?

R-  

Filme – “O Gladiador”

Música – “Smells Like the Teen Spirit – Nirvana” 

Livro – “O Carteiro de Pablo Neruda”

 

P - Gostaria de deixar alguma mensagem a algum político e/ou dirigente de modo a melhorar a actuais situações económica, social e desportivas das colectividades do concelho da Moita e concelhos limítrofes?

R - A melhor mensagem que se pode transmitir aos políticos é a de olharem para os clubes mais pequenos como colectividades que fomentam o desporto junto da população, são locais de convívio e confraternização entre as gentes locais e principalmente movimentam e incentivam centenas de atletas jovens para a pratica do desporto e que desta forma têm uma ocupação extra escolar evitando-se que em muitos dos casos passem o tempo livre com más companhias e sigam por caminhos errados.

Em relação aos dirigentes dos clubes pedia-lhes para gerirem os seus clubes/colectividades com o máximo rigor possível, não entrando em loucuras financeiras tendo também sempre em mente o papel que os clubes, pequenos ou grandes representam para a componente social de uma população/localidade.

Sou também da opinião que temos no nosso concelho grandes dirigentes, e que só a falta de apoios os impede de elevarem mais alto o nome das colectividades que representam.

 

 

LN@WEB

 

Copyright LN All Rights Reserved.
www.cri.web.pt